Computadores e Aplicativos são ferramentas básicas do nosso trabalho. Usamos tanto que nem percebemos que fazem parte de nossa rotina.

Pensando nisso, resolvemos criar um guia a fim de orientar empreendedores e profissionais sobre aplicativos voltados para quem trabalha com impressão digital. Então, você finalmente vai poder decidir qual deles usar, conforme cada aspecto de nossa rotina.

Se você já é um usuário avançado, tenha um pouco de paciência, pois vamos abordar o assunto desde seus elementos mais básicos!

O que é um aplicativo?

Basicamente, é um software (criado com linguagens de programação) que tem por objetivo executar uma rotina ou tarefa específica, dentro de um sistema operacional.

Tipos de aplicativos:

Este guia será publicado em uma série de posts. Então, para orientar e organizar as ideias, vamos classificar os tipos de aplicativos e, a partir disso, seguiremos a série:

  • Processadores de Texto;
  • Banco de dados;
  • Planilhas;
  • Multimídia;
  • Programas Gráficos;
  • Editoração Eletrônica;
  • Editores de Vídeo;
  • Editores de Áudio;
  • Empresariais;
  • Coleta e Análise de Informações;
  • Educacional;
  • Aplicativos de Integração;
  • Simuladores;
  • Acesso à Informação;
  • Suítes de Aplicativos;
  • Aplicativos para Engenharia e Desenvolvimento de Produtos.

Em negrito, estão os tipos de aplicativos que vamos abordar neste guia, não seguindo necessariamente a ordem na qual foram expostos.

Vale lembrar que, hoje em dia, os softwares podem ser instalados localmente (num servidor ou num computador) ou nas nuvens (termo em inglês “cloud”, onde você usa um navegador para acessar o aplicativo que está em um servidor web).

Tipos de licenças:

Aqui, talvez, seja o assunto mais controverso, independente do tipo de aplicativo que você vai precisar.

Usar software de forma ilegal é sempre um risco, tanto em relação a infecção (vírus, trojan, etc…), roubo de dados e até infração penal, seja pelo artigo 184 do Código Penal ou artigo 9 da Lei 9.609/1998.

Todo mundo pensa “isso não vai acontecer comigo”…

Os tipos de licenças são muitos. Portanto, vou resumir aqui os que mais interessam ao nosso setor:

  • Software Proprietário: simples, é proibido pelo autor a cópia, modificação ou redistribuição do aplicativo.
    • É necessário uma autorização ou pagar para usar, seja por assinatura por determinado tempo ou quantidade de usuários, ou compra definitiva da licença.
    • Pode ser gratuito (Freeware), mas ainda assim não é permitida a modificação do seu código.
  • Software Livre: pode ser modificado, copiado, usado livremente e seu aplicativo acompanhar o código fonte (Open Source), sendo disponibilizado de formas distintas, como:
    • Licença Pública Geral (GLP), onde o software continua livre, mas garante a propriedade intelectual e o direito autoral de seu criador;
    • Em Domínio Público, quando o autor não impõe sua propriedade;
    • Copyleft, quando pode ser usado, copiado ou modificado, desde que possua autorização do autor.

Assim, terminamos a primeira parte do assunto. Continue lendo o segundo artigo, clicando aqui.

Deixe uma resposta