Afinal, meu arquivo deve ser RGB ou CMYK?

Na teoria geral, usa-se RGB quando se trabalha com artes para exibição na web, ou em monitor. CMYK usa-se para impressão comercial profissional.

Para entender melhor, na imagem seguinte, simulamos dois perfil ICC RGB de Entrada, em relação a alguns perfis ICC CMYK de saída.

A explicação para isto está no GAMUT (gama) de cada modo de cor, note na próxima imagem que o RGB alcança muito mais tonalidades que o CMYK que, por sua vez, está contido em RGB.

O disco com todas as cores simula as tonalidades visíveis pelo olho humano, mas tecnicamente falando, ele representa o modo de cor Lab, como vimos antes.

rgb ou cmyk

Aí temos o mito. Como CMYK é menor que RGB e minha impressora é CMYK, logo devo sempre fazer arquivos em CMYK.

Agora que entendemos o processo de conversão entre modos de cor, desde o arquivo original, até a impressão final, podemos tirar algumas conclusões a respeito de que modo de cor deve-se usar na entrada (no arquivo) do processo.

Vamos levar em consideração que você tenha feito todo o processo de Gerenciamento de Cores citado anteriormente. Se tudo estiver 100% alinhado, a resposta é:

TANTO FAZ RGB OU CMYK

Isso mesmo, não importa o modo de cor que o arquivo está, o gerenciamento de cores (leia tudo sobre isso, caso você não saiba o que é) fará com que seja impresso com total fidelidade, através do mecanismo ICC Entrada > Renderização > ICC Saída. Simples né?

Leve em consideração o seguinte, o GAMUT de cor CMYK é variável, a imagem anterior representa apenas uma demonstração geral de como se comporta os modos de cor entre si, mas cada marca de tinta alcança um GAMUT maior ou menor que a outra, o tipo de substrato também influencia nesta variação além da resolução.

Então o mecanismo ICC Entrada > Renderização > ICC Saída faz com que cores fora do gamut do ICC de saída seja convertido com o máximo de exatidão possível, mantendo características próximas de Matiz, Saturação e Brilho.

SE EU ESTIVER CRIANDO, SEMPRE OPTO POR RGB

Quando tenho liberdade para escolher cores, sempre opto por trabalhar meu arquivo em RGB. Como o perfil ICC CMYK de Saída está contido com perfil ICC RGB de Entrada, escolhendo cores em RGB fará com que eu trabalhe sempre com cores além da capacidade do perfil de saída.

Ao colocar a imagem no RIP, o mecanismo ICC Entrada > Renderização > ICC Saída fará com que a impressora sempre busque a cor máxima que o perfil ICC de saída pode fazer.

Aproveitando, saiba sobre Cores Pantone®

Pantone é uma marca registrada, constantemente confundida como um modo de cor, assim como RGB e CMYK. O primeiro catálogo Pantone®, o PANTONE MATCHING SYSTEM, foi criado em 1963 por Lawrence Herbert, motivado pelo fato de que o espectro de cores é interpretado diferentemente por cada pessoas que o vê. Desde então a Pantone ® é referência mundial na padronização de cores.

Muito se diz a respeito das cores Pantone®, que eles são cor pura, que devemos usar na impressão digital para fazer cores limpas e etc. Na prática é um catálogo usado para padronização de cores nos processos de impressão, principalmente no offset, onde o arquivo é preparado especialmente para imprimir com tintas Pantone® e não CMYK. Mas como ela se aplica a impressão digital em grandes formatos?

Com impressão digital acontece no RIP uma conversão do Pantone® para para o perfil ICC de Saída (se todo o gerenciamento de cor estiver 100%).

Pra finalizar essa série, assista:

SUPERCLASS – Gerenciamento de Cores na Criação e Pré-Impressão com Adriano Medeiros

Devo imprimir o arquivo em CMYK ou RGB?Qual software tem a melhor cor para imprimir, Photoshop ou Corel?Por que a cor em uma impressora é diferente na outra,…

Comentários